O manuscrito “Tercera Division, Cuadros adjudicados a la Serenissima Señora Infanta de España Dona Carlota Joaquina de Borbon, Reyna Viuda de Portugal, por la Testamanaria de los Señores Reyes Padres, en el año de 1826”. Das colecções reais aos museus públicos:
Em janeiro de 1819, morriam Maria Luísa de Parma (1751-1819), no dia 2, no Palazzo Barberini, em Roma, e o seu marido, Carlos IV de Bourbon (1748-1819), no dia 19, em Nápoles. Quis a fortuna que a filha dos monarcas espanhóis,D. Carlota Joaquina de Bourbon (1775-1830), morresse nesse mesmo mês, no dia 7, onze anos depois.

As reminiscências destes factos no acervo da Biblioteca da Ajuda, ou nas colecções do Palácio da Ajuda, é o objecto deste texto, no qual é dada notícia do manuscrito, existente no espólio da Biblioteca, ms. 54-X-33 (7) - “Tercera Division, Cuadros adjudicados a la Serenissima Señora Infanta de España Dona Carlota Joaquina de Borbon, Reyna Viuda de Portugal, por la Testamanaria de los Señores Reyes Padres, en el año de 1826”[1], até agora inédito.

Este documento que enumera as pinturas que, por morte de seus pais, seriam adjudicadas à soberana portuguesa, completa a informação, já divulgada pelos meios académicos e museológicos espanhóis, relativa à herança dos reis Carlos IV de Bourbon e Maria Luísa de Parma, que se encontra nos arquivos de Espanha, e da qual agora se confirmou a existência de um exemplar na Biblioteca da Ajuda, correspondente à “Tercera Division [...]”[2], isto é, à quota parte hereditária constituída por pinturas, joias e metálico que D. Carlota Joaquina, já viúva, recebe.

Como se depreende do manuscrito da Biblioteca da Ajuda[3], aquele conjunto não chegará a Lisboa antes de 1826, vindo juntar-se ao património de que a soberana já dispunha. Após a morte de D. Carlota Joaquina, em 7 de Janeiro de 1830, parte das obras de arte que compunham a herança paterna e integravam o espólio do Palácio do Ramalhão, seria leiloada no Palácio da Bemposta, a partir de Dezembro de 1847. Mas não a totalidade, é o que se defende no artigo “As colecções de arte da Rainha D. Carlota Joaquina de Bourbon (1775-1830): da colecção privada aos Museus Públicos. O manuscrito da Biblioteca da Ajuda: Memórias e Silêncios”, ual- repositório camões [aqui]

Com aquele texto, no qual se ensaia uma relação entre as pinturas inscritas no citado manuscrito, e, o seu possível impacto no acervo do Palácio Nacional da Ajuda, pretende-se contribuir para o melhor conhecimento das actuais colecções públicas de arte, bem como chamar a atenção para a importância dos legados de Antigo Regime, para a constituição das actuais colecções museológicas nacionais e para a necessidade do permanente estudo dos acervos documentais para o esclarecimento das suas origens e percursos.

Mafalda Magalhães Barros
Biblioteca da Ajuda